sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

SE O PAÍS NÃO ENDOIDECEU, ANDA LÁ PERTO...



Não sei se muitos já se aperceberam disso, mas estamos a criar um país perigoso.

É perigoso:

- Um país em que se banalizam as escutas telefónicas como meio de prova e, pior, mesmo que inválidas, publicam-nas impunemente na internet e meios de comunicação social;

- Um país em que qualquer pessoa já pensa duas vezes antes de falar ao telefone;


- Um país em que se faz política com base em escutas telefónicas judiciais declaradas nulas;

- Um país em que um Juiz de um Tribunal de 1.ª Instância, impunemente, não cumpre despachos do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça;

- Um país em que a maior parte dos casos mediáticos e importantes vão parar às mãos de um único Juiz de Instrução (como acontece no DCIAP);

- Um país em que um jornalista (à noite) e opinion maker (de manhã) pretende noticiar e opinar com base em alegadas escutas de um amigo de supostas conversas de café de terceiros;

- Um país em que um grupo de deputados do partido do governo propõe a publicação na internet dos rendimentos dos cidadãos como forma de combate à fraude e corrupção.

Isto não é o país das maravilhas… Temos muitos problemas. Mas talvez seja melhor ter alguns corruptos, do que viver num país de bufos, invejosos e vouyeurs. Espanta-me ver tanta gente a apoiar determinadas causas e a achar que os fins justificam todos e quaisquer meios. Repito: isso é perigoso, muito mesmo…




Francisco Proença de Carvalho


UM COMENTÁRIO:

O problema, medroso, não é a circunstância. É a instância. É muito giro saber isto tudo e vasculhar na vida "destes" personagens que, para si, são quase abstractos. O problema é quando o método chegar a si. Ou aos seus e àqueles que ama. Ou a um qualquer desgraçado totalmente inocente. Quando alguém pegar numa sua conversa - por mais cândida que seja - e a deturpar com fins de o prejudicar. Aí, caríssimo, quando tiver se ser você próprio a provar que é inocente (contra a omnipresença dos media e a velocidade de disseminação quase viral do youtube) é que vai ser o bom e o bonito. Portanto - e como este é um dos pilares do Estado de Direito - qualquer violação a esta norma é-me perfeitamente repugnante. Porque daqui até à justiça popular (e a total cobardia que as suas palavras encerram, voluntaria ou involuntariamente) é um saltinho.

Dou-lhe dois exemplos: apanho-o a falar ao telefone com um vizinho a dizer que vai "durante o fim de semana vai degolar aquela porca". Como tudo isto é basicamente incontrolável, alego que o medroso confessou, não que tinha ido à terra tratar dos fumeiros para o ano, mas sim que era responsável pela premeditação de um qualquer homicidio horrendo.

Punha as escutas no youtube, punha lá umas fotos de uma desgraçada qualquer assassinada num pinhal junto a EN1 - para criar ambiance - e pronto. 'Tavas entalado. A bem da nação. Bem podia o tribunal dá-lo como totalmente inocente, considerar (e bem) a acusação totalmente infundada, dar-lhe uma medalha e queixar-se dos tipos que constroem estes casos... a sua reputação estava arruinada. Um futuro patrão ia pensar duas vezes antes de lhe dar trabalho. Os pais dos amigos dos seus filhos iam começar a olha-lo de lado... entc e tal e coiso. A bem da nação, porque nunca fiando e isto é tudo uma cambada e hoje em dia não se pode confiar em ninguém.

Melhor ainda... por ser ainda mais credível. Imagine que, por desgraça, um seu amigo se enrolava aí nuns negócios escuros no tráfico de caramelos El Caserio. Por acaso, num telefonema, até falam de doces, que as peta zetas eram boas, mas o que gostava era de caramelos. Risota, o desta é que o benfica lá chega, e mais o caraças e ficavam por aí. Um ano depois o seu amigo é filado pela polícia. As escutas vêm à baila e, por mais que uma unica conversa seja inconclusiva - exactamente porque pode ser descontextualizada - as escutas vêm parar ao jornal. Tudo redigido, o medroso a dizer que "gosta é de caramelos" (já reparou que basta umas aspas?

Olhe, outra ainda mais gira, o Correio da Manhã apresenta um headline segundo o qual o medroso diz: "Eu gosto é de "carninha fresca". Tinha sido eu a dar a dica ao jornalista, depois de o ouvir aí dizer isso no tasco. Bonito, não é? Ia ser um sucesso lá na escola dos seus putos. Na mercearia aí do bairro. E bem podia desfazer-se em explicações... porque o o bichinho ia lá sempre ficar. Há sempre alguem que QUER acreditar. Que GOSTA de acreditar que, lá está, ainda bem que aquelas "provas" o confirmam, apesar dos sacanas dos tribunais o terem mandado embora.

Depois de tudo isto, por mais que tente defender o bom nome, era apenas uma questão de tempo até que meia duzia ai de vigilantes / cidadãos preocupados, depois de mamadas umas quantas minis e médias, o encontrassem na rua. E fizessem, pelas proprias mãos, aquilo que os tribunais não tinham feito: isto é, acusar o porco que tinha admitido que gostava era de "carninha fresca".

Mas enfim. Tinha sido a bem da nação.

Percebe agora o que quer tudo isto dizer? Ou vai deixar o "medo" (ou raiva ou lá o caraças que for) que tem do socrates toldar-lhe a razão?

8 comentários:

Anónimo disse...

Caro Egídio aqui tem um bom post.
Mais, com um texto de Proença de Carvalho...Parabéns, meu amigo é assim que se calam alguns dos seus conterraneos meios nervosos, meios loucos e fanáticos, ou lunáticos, que depois vêem em si o problema quando são eles o grande problema na Mealhada e no seu PSD local...
Mais uma vez obrigado por este bocado de boa leitura de opinião.

ruy disse...

No meio nda corrupção ao mais alto nível em que vivemos, parece querer inverter-se um dos meios de que a Justiça dispõe - as escutas. Eu pensava que as escutas estavam ao serviço da justiça como meio para colher provas e culpar criminosos.
Mas pelos visto não é assim - elas parecem agora servir para inocentar criminosos e denegrir a Justiça. O que mais esperará este desgraçado país.

Anónimo disse...

A imprensa necessitamos dela, a verdade é que em tudo nos Portugueses exageramos , vejamos o programa nos por cá . Quantos casos este programa resolve, todos sabemos que somos um povo indisciplinado , invejoso e temos um lado de sadismo que não sei de onde vem. Resta-nos a comunicação social para nos ajudar e desmascarar alguns. E claro que o excesso de medicação faz mal. Mas é este o preço a pagar para o nosso comportamento.

Egídio Peixoto disse...

Enfim, um país cujo primeiro-ministro foi, até há pouco tempo, suspeito pela polícia inglesa de estar envolvido em actividades criminosos, situação única na Europa.
É uma singularidade a acrescentar às que refere.
Outra singularidade é o facto de se continuar a insistir no facto de pois da dita policia inglesa ter arquivado o processo por improcedência. Ou, porque não, o facto de se irem aranjando mais singularidades à medida que as anterioresvão sendo desmentidas ou desmistificadas. Enfim... a quem não sabe cavar, até a enxada atrapalha.

Anónimo disse...

Defendo e sempre defendi a liberdade de imprensa.A liberdade de informar é vital para a democracia,desde que não colida com os direitos,liberdades e garantias dos cidadaos, tal como está constitucionalmente consagrado.A divulgação pública de escutas telefónicas, antes do processo transitar em julgado ou nos casos de absolviçao,deveria ser punido pelos tribunais exemplarmente,atentos os danos pessoais,profissionais,familiares e outros que a divulgação das mesmas causam os intervenientes.Nunca deveriamos esquecer que um sujeito por mais edificios,pontes ou outras obras que faça nunca será um engenheiro se um dia fizer um broche. Será sempre um brochista.Infelizmente é com grande tristeza que eu,que sempre defendi a liberdade de imprensa,vejo a mesma a fazer vitimas todos os dias.Cegos pela pressa de informar nunca pensam nas consequencias desse acto para a vida das pessoas.É caso para dizer "perdoai-lhes senhor que não sabem o que fazem".Ou será que até sabem ?Perguntem ao Carlos Cruz e outros depois da divulgação escandalosa da entrevista à ex-provedora Catalina dias antes da sentença.Infelizmente chegamoa a um ponto em que a nossa imprensa é inquiridora,juiza e carrasco.A quem serve esta "liberdade"? Sómente a quem a controla.Por isso quando perguntaram ao chefe dos etarras porque é que assassinaram um jornalista ?Ele respondeu que uma caneta pode ser uma arma mais mortifera que qualquer outra automática conhecida.

Anónimo disse...

O procurador-geral da República (PGR) anunciou hoje a abertura de um inquérito (investigação) à divulgação pelo semanário "Sol" de notícias sobre as escutas telefónicas efectuadas no processo "Face Oculta", que envolvem figuras do PS como Armando Vara e Paulo Penedos.

Uma nota da Procuradoria-Geral da República adianta que, na sequência daquelas notícias sobre matéria em segredo de justiça, foi ordenada a abertura de um outro inquérito pelo procurador-geral distrital de Coimbra.»

Toda a gente sabia que mais tarde ou mais cedo as escutas seriam divulgadas pelo SOL, um autêntico órgão oficial do Ministério Público.

O Procurador-Geral que poupe o dinheiro dos contribuintes pois toda a gente sabe que os responsáveis po aquilo a que temos assistido nunca irão a tribunal.

Anónimo disse...

Caro Egídio, tem toda a razão, a manter este 1º Ministro no Governo, este País só pode estar maluco...
Ainda bem que existe fuga ao Segredo de Justiça-ao menos assim sabemos que há merda...
Sem consequências, mas ao menos sabemos, senão ficava tudo calado e...
eram só bons rapazes!

Anónimo disse...

Francisco Proença de Carvalho:
Advogado de José Sócrates - está tudo dito. Nesta feira que é este país, vende-se de tudo! Até a própria mãe, se necessário!