domingo, 13 de setembro de 2009

VENCEU A ARROGÂNCIA DE MFL!...


Dizem que os debates se decidem entra a imagem, o estilo e o conteúdo. Em proporções variáveis consoante o ouvinte. A imagem de Manuela Ferreira Leite podia favorecê-la: apesar de tudo não exerce funções governativas desde 2004, e a memória colectiva sobre quem ela foi como Ministra das Finanças e Ministra da Educação podia estar enfraquecida. Por isso, me parece, que na imagem esteve o 1º erro de Manuela Ferreira Leite. Por alguma razão ela decidiu mostrar um ar antipático e agressivo, que era estratégia do PSD associar a José Sócrates.Um olhar vale muito. Manuela Ferreira Leite tinha dificuldade em olhar para o seu adversário. Passou uma imagem de desprezo pessoal que cai mal em política. McCain pagou-o caro ao recusar-se a tratar Obama pelo nome. Usualmente, os líderes fracos caem no erro de confundir força com manifestações de desprezo. Os portugueses já achavam, segundo a sondagem da Católica, que Ferreira Leite era mais fraca como líder. Ela só robusteceu essa ideia. E nesse ponto perdeu.O estilo autoritário, de quem não admitia certas expressões, como "falta de seriedade", ajudou a compor a figura. No mau sentido. Os portugueses viram que arrogância afinal tinha outro nome. Quem conferiu a Manuela Ferreira Leite o direito de se furtar aos qualificativos de que não gosta? Não foi o eleitorado. E quando eles são merecidos, pela inúmeras contradições em que cai face ao seu programa e ao que disse noutras ocasiões, tenho dificuldade em perceber se ela acha de facto que recebeu a unção divina da Verdade? Podia marcar pontos e não marcou. Para quem não acredita na humildade de José Sócrates, para quem não gosta de maiorias absolutas, para quem achava Maria de Lurdes Rodrigues arrogante, Manuela Ferreira Leite deve hoje ter sido um susto. Grave.
Em síntese, Manuela Ferreira Leite cometeu gaffes. Contradições. Foi arrogante na postura e caiu no erro de mostrar falta de cordialidade com o adversário. Para quem esteve na Administração do Santander, mostrou um estranho sentimento anti-espanhol, inspirado em Paulo Rangel. E foi fraca na defesa das suas ideias e no apontar de debilidades ao governo.A mais grave das mentiras disse-a a respeito da Segurança Social. Quando é reconhecido que o PS conseguiu a sustentabilidade do sistema, ela lançou um falso medo sobre as pessoas verem reformas reduzidas. Porque se o medo é verdadeiro, porque diz ela que não agirá sobre a segurança social se for primeira ministra?

11 comentários:

T.Mike disse...

Fizemos a mesma leitura.
A senhora, na realidade, é um tremendo erro de casting.
Pobre Portugal se viesse a ser 1º. Ministro .

Anónimo disse...

Grande post. Egídio estás a trabalhar bem. Abraço. ANL

Anónimo disse...

Belo texto.
Foi copiado de onde?

Anónimo disse...

Esta mulher transforma a campanha eleitoral numa desinteressante discussão técnica sobre o melhor contra a crise. Depois a sua formação - de que tanto se gaba - deseja muito a desejar, apesar de, esforçadamente, ter abolido a expressão "piquenas", o seu vocabulário é tão curtinho e a sintaxe sem ordem. Ela que vá ter aulas de português e que, no imediato, comece a estudar a nossa gramática para não se atrapalhe a dizer as suas frases e a expor as suas ideias.

Anónimo disse...

Esta mulher transforma a campanha eleitoral numa desinteressante discussão técnica sobre o melhor contra a crise. Depois, a sua formação - de que tanto se gaba - deixa muito a desejar, apesar de, esforçadamente, ter abolido a expressão "piquenas", o seu vocabulário é ainda tão curtinho e a sintaxe sem ordem nenhuma. Ela que vá ter aulas de português e que, de imediato, comece a estudar a nossa gramática para que não se atrapalhe a dizer as suas frases e a expor as suas ideias.

Anónimo disse...

Nos conteúdos, a vantagem estaria sempre do lado de Sócrates. Tem um programa melhor. Conhece o programa do PSD. Apontou as contradições entre o programa do PSD e Ferreira Leite. E as contradições do discurso de Ferreira Leite hoje e noutros momentos.
Sócrates fez uma desmontagem notável dessas falhas e não obteve respostas convincentes a questões fundamentais como a das SCUTS. Manuela Ferreira Leite pode ter ganho apenas na insistência na questão do endividamento externo. Porque Sócrates não teve tempo de a contrariar. Esse endividamento tem um uma razão conjuntural que foi a subida dos preços do petróleo em flecha até meados de 2008. Oneram 52% das nossas importações. Era inevitável. Daí a correcta aposta nas energias renováveis. Faltou dizer isto, para a vitória não deixar nada no ar. O tempo obrigou a deixar isto no ar.

Anónimo disse...

MFL já criticara os grandes investimentos públicos, alegando que só seriam úteis para os cabo-verdianos e os ucranianos. Ontem atacou os espanhóis e hoje um ministro do país vizinho respondeu-lhe à letra.

Decididamente, MFL não gosta de estrangeiros. Por isso, decidiu armar-se em padeira de Aljubarrota.

A. Moura Pinto disse...

Gostaria de ter escrito o post... Parabéns!

Anónimo disse...

Um site engraçado,

www.bussolaeleitoral.pt

Egídio Peixoto disse...

www.bussolaeleitoral.pt
Reparei que engraçado é este site em cima citado... nada de novo uma seta envenenada...

Pedro Costa disse...

Que resultado é que deu, Egídio?
A mim deu MEP.
Às vezes só descobrimos que estamos enganados quando nos apontam o caminho.
lolololol