sexta-feira, 18 de setembro de 2009

PÚBLICO: NÃO É MELHOR FECHAR A PORTA?

O mail, da verdade ou não? clik para ver melhor!





Esta é a pergunta que faço a Belmiro de Azevedo!



A redacção do público está a ficar com a mania da perseguição!



O que eles publicam e investigam é sério, o que os outros investigam e publicam é obra de conspiradores!



Esta de desconfiar do SIS é de loucos! Mas porque não haviam de desconfiar, se o SIS depende do gabinete do Primeiro-Ministro!


Só vos digo, o director do público está senil ou está cego pelo ódio que tem ao Primeiro-Ministro. Pelas declarações do jornalista do Público essa senilidade ou cegueira já passou para alguns elementos da redacção!

4 comentários:

Anónimo disse...

Conhecendo de quem dependem os serviços de informações, que dependem do primeiro-ministro, e sabendo que estávamos a falar de um caso de escutas e sobretudo quando percebi que tinham ido parar a três órgãos de informação diferentes, acho que é um trabalho dos serviços de informações ou de alguém desse género", afirmou o director do Público na TSF.

Uma tentativa rídicula de sair desta embrulhada criada pelo próprio. JMF, seja homem uma vez na vida e assuma as suas responsabilidades. Deixe de ser rato.

Juiz disse...

O silêncio do presidente da República fala mais do que qualquer frase de Ferreira Leite (e em melhor Português). É um "silêncio" muito cómodo para o PSD. A minha posição, enquanto cidadã deste país, é que tudo isto é uma manobra de campanha contra o governo de José Sócrates. Cavaco Silva geriu muito mal esta situação. Por um lado, tornou pública a suspeita e não fez o que lhe competia. Por outro, ao não falar, está nitidamente a influenciar a campanha eleitoral. De qualquer dos modos, Cavaco Silva, já não será, para muitas pessoas, o seu Presidente da República.

Anónimo disse...

Deixem-me ver se percebi bem: Hipótese 1: O SIS anda a escutar o Presidente da República com conhecimento do Primeiro-ministro; Hipótese 2: Um assessor do Presidente da República fabricou uma notícia num jornal para prejudicar o Primeiro-ministro (com ou sem conhecimento do Presidente da República). No caso de se verificar a Hipótese 1, o Primeiro-ministro deve ser destituído. O Presidente não ia deixar que este governo fosse novamente eleito sem que isto se soubesse. No caso de se verificar a hipótese 2, o Presidente da República deve, no mínimo, demitir o seu assessor. Espantoso é haver quem ache que isto não é suficientemente grave para que o Sr. Presidente da Republica não faça algo mais do que contribuir para a confusão. Como é que podemos ir votar sem saber a verdade. A quem interessa que a verdade não se saiba

Anónimo disse...

Hoje podia ouvir o Fórum da TSF e daí via que cavaco é presidente de alguns portugueses e não de todos os portugueses. Cavaco demonstra que está a fazer campanha pelo PSD com o seu silêncio e, mais uma vez gere o seu silêncio a favor do PSD para o tema asfixia tema tabu para o PSD. Um assunto com cerca de ano e meio já teria sido resolvido com a demissão do governo.
Não há memória em Portugal de um líder político tenha sido protagonista de tantos escândalos, sejam de fraudes, da licenciatura, orientação sexual e agora as escutas a um órgão de soberania. a coincidência é que é sempre a mesma imprensa e televisão só neste caso a TVI não meteu com as suas famosas investigações, porque já lá não está a famosíssima MMG...
O PR já poderia ter dito a verdade para os portugueses saberem com quem contamos e, isso não interferia na campanha eleitoral. Porque a verdade é uma necessidade...