sexta-feira, 12 de março de 2010

O "SOL" PARECE UM (DES)INFORMA PARANÓICO...



Continuamos a ver “O Sol” por uma peneira e ninguém é colocado a ver o Sol aos quadradinhos.


Isto é um jornalismo de levanta lebres e mata processos sem o mínimo de consequências que não seja a de vender papel.


Confunde-se liberdade de informação com arruaça e desrespeito da vida pública e privada de quem quer que seja. Nenhum jornalista levou qualquer caso até às ultimas consequencias de modo a demonstrar que os, putativos, corruptos o eram, efectivamente. Em português vernaculo é o que se pode chamar de "jornalismo de merda".


Os visados deveriam constituir-se em associação para processar, por difamação e por outras razões fundamentantes para litigar exigindo a reposição do bom nome dos ofendidos e exemplares indemnizações aos difamados.





14 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

O SENHOR ANÓNIMO QUE TRATA O EGÍDIO POR IGIDIO, DEVIA AGORA DAR O SEU CONTRIBUTO NO BLOGUE É QUE QUANTO MAIS FALA E TENTA ILUCIDAR OS OUTROS COM AS SUAS OPINIÕES: TIO EU SEI TU NÃO SABES NÃO VÊS...
A MAIORIA DO POVO CONTINUA A PRETENDER O PS E SÓCRATES ATÉ PORQUE FOI SÓCRATES QUE MIS SUBIU NOS ESTUDOS DE OPINIÃO E SÓCRATES NÃO É O SEU SENHOR DE DIREITA ITALIANA BERLUSCONI. SÓCRATES MESMO COM OS SEUS DEFEITOS E QUEM OS NÃO TEM? É UM DEMOCRATA, E VIVE UM INFERNO COM A COMUNICAÇÃO SOCIAL, PORQUE ELA ESTÁ NAS MÃOS DE TIPOS COMO BERLUSCONI EM ITALIA...

Anónimo disse...

Se em Portugal houvesse jornalismo de investigação a inventiona de Belém seria investigada assim como a compra das famosas acções da SLN/BPN ao amigo Oliveira e Costa.
E como não há ninguém disponível para escrver uma crata anónima que envolva Cavco e Silva num qualquer processo judicial nada acontece jornalisticamente.

Anónimo disse...

Na densa tessitura de teorias da conspiração que fazem a "actualidade política" nacional, a última de que me dei conta é a da alegada "preferência do PS" por um dos candidatos à liderança do PSD, "preferência" que quereria dizer que esse candidato é visto como "o mais fraco" e portanto aquele que, à frente do PSD, teria menos hipóteses de derrotar o PS. É claro que quem tal proclama quer vender aos militantes do PSD a ideia de que o seu candidato, ele sim, mete "medo eleitoral" ao PS.



Esta ideia de embrulhar tudo e mais alguma coisa em alegações de fenomenais planeamentos e urdiduras tem o pequeno óbice de desconsiderar a possibilidade bem mais terrena de que as coisas ocorram porque, simplesmente, ocorrem, mais não tendo que motivações individuais ou, quanto muito, de cultura grupal. Por exemplo para mim, que nunca votei no PSD, Paulo Rangel simboliza, pelo discurso e pose, tudo o que me desagrada pessoal e politicamente. O seu discurso no Parlamento Europeu, que sabemos ter sido o lançamento da candidatura interna, é um dos momentos de maior desonestidade e maior desprezo pelo País de que me lembro nos últimos tempos, a somar como definição de carácter à forma como tenta demarcar-se da liderança de Ferreira Leite, de que foi um dos símbolos e maiores arautos, e ao modo como justificou abandonar o lugar de deputado europeu para o qual foi eleito como cabeça de lista depois de ter invectivado Elisa Ferreira e Ana Gomes por terem, ao candidatar-se a presidências de câmara, posto a hipótese de não cumprirem o mandato em Estrasburgo.

Mealhada Café disse...

O PSD com as suas comissões de inquérito, de braço dado com o BE*, não consegue levar a água ao seu moinho. É a conclusão a tirar de mais esta sondagem do Universidade Católica para DN, JN, RTP e Antena 1, realizada entre os dias 6 e 9 de Março de 2010. E, com os candidatos que estão na corrida à sua liderança, tenho para mim que também não vai longe.
Todavia, parece-me também evidente, contrariamente ao defendido pelo actual inquilino de Belém, que, com a actual composição da Assembleia da República, não vamos lá. A meu ver, tendo em conta as sucessivas coligações negativas formadas pela direita e pela esquerda (ainda hoje tivemos mais duas), parece-me imperioso realizar novas eleições, logo que aprovado o Orçamento de Estado, por forma a que se ponha termo a esta situação em que sobressai a irresponsabilidade das oposições que teimam em pôr em causa a credibilidade externa do país, credibilidade que mais afectada será se o PEC não vier a receber a bênção das bancadas da oposição. Nessa eventualidade que se me afigura cada vez mais provável, o PS não terá outra alternativa que não seja avançar no Parlamento com uma moção de confiança. Para não continuarmos no pântano. E a Bem da Nação.
*Pode ser mera coincidência, mas o que é facto é que as intenções de voto no BE vêm por aí abaixo. Fruto sua oportunista ligação às posições da direita? Porventura não só, mas também. Quem não tem uma prática condizente com o discurso, arrisca-se a estes percalços. A demagogia nem sempre compensa. Está visto.

Anónimo disse...

meu caro Mealhada Café , estou plenamente de acordo com as eleições após a aprovação do orçamento e tb acho q deve ser o governo a propor uma moção de confiança , assim mata dois coelhos de uma vez, coloca a mostra a careca da oposição, e tb entala por interposta razão , o inquilino la daquele tão belo palácio , mas tão mal ocupado

Anónimo disse...

RTP aprende a fazer manchetes com o Sol
Está visto que a escola de jornalismo à lá Sol tem vindo a reunir adeptos. A RTP brinda-nos com este título:

Egídio Peixoto disse...

A única conclusão que se pode tirar da notícia de hoje publicada no i, é que as palavras de Marinho Pinto (segundo as quais uma parte importante do poder judicial pretende acabar com José Sócrates) são dirigidas, nomeadamente, ao Sindicato do Ministério Público, e mais concretamente ao seu Presidente, João Palma, e ex-Presidente António Cluny.


No primeiro depoimento que faz ao inspector encarregue do inquérito, Paes de Faria confessa ter ficado "surpreendido e não menos incomodado" quando ouviu o recém-eleito presidente do sindicato, João Palma, prestar na televisão declarações sobre as pressões. E ficou "preocupado" por perceber que o caso assumia uma repercussão pública "desproporcionada, tendo em conta a relevância que, pessoalmente, dera aos factos".

Anónimo disse...

Elucidativo:
Quando se fala das mentiras do Sócrates, com factos que ninguém contestou, não há uma palavra sequer, a defendê-lo, ou a comentar, sequer (vd os coments dos 2 posts anteriores).
Mas quando aparece, em enxurrada, a contumaz propaganda encomiástica ao melhor do mundo e arredores (Sócrates, pois claro), é vê-los, a todos, lambuzando-se masturbáticamente, a martelarem tecla a tecla, as loas propagandísticas habituais ao dito sujeito.

Anónimo disse...

As sondagens continuam a dar a maioria ao Homem e ao seu PS?
Mas o que é que esperavam?
Também não ganharam eleições o Chavez? o Mugabe? Hitler? Salazar?
Qual é o mérito?
É só necessária uma boa máquina de propaganda.
E nisso, efectivamente, ninguém ganha ao Sócrates.

Egídio Peixoto disse...

Não sabia que Hitler e Salazar faziam eleições livres...Quanto a Chavez é o exemplo de prepotência e controle de todo o aparento do estado, ao qual não se pode chamar democracia, mas sim um regime comunista construído com base em alicerces capitalistas. Veja-se Angola.
Por mais que se deteste Sócrates nada é comparável, por isso meu caro anónimo é ridículo comparar O INCOMPARÁVEL.
Portugal é uma democracia plena que tem todos os instrumentos para derrubar ou condicionar um governo (Sócrates), muito mais agora que o governo tem uma maioria relativa. Quanto ao que Sócrates é acusado pela média, é simples, temos um poder judicial que é independente, em que se Sócrates for culpado das acusações que lhe são feitas então esse poder autónomo, com toda a certeza o vai julgar venha quem vier. Isto é democracia …
Agora não podemos é derrubar alguém só com base em insinuações, isso estaríamos mal porque em tudo à insinuações e em muitos aspectos são alimentadas bem alimentadas, então tudo o que se disser e for levado a sério sem provas tem de sair de “cena”.
Mais, há já algum tempo que estas insinuações acontecem e quase sempre para o mesmo partido, recordem-se bem e, verão que tudo é selectivo: as acusações, o tempo em que são feitas ou lançadas na opinião pública, parece que não vencendo de uma maneira (eleições), vem as suspeitas nos média…E de quem são os média? Claro que são da oposição e, esquecem-se que o jornalismo é um poder e tem uma conduta, que é a isenção, algo que já não acontece à muito tempo, por razões politico ou económicas, o “Sol” é um dos casos porque estando à beira da falência à muito tempo, tem conseguido sobrevivido com estas capas ou primeiras páginas algo graves para o bem nome das pessoas bem como para o bem da democracia…

Anónimo disse...

Caro Egídio:
A tua propaganda está exactamente ao mesmo nível e na mesma fase da propaganda actual do PS:
Tentam explicar o inexplicável, falam, falam, escrevem, escrevem, mas nada explicam verdadeiramente, baralham tudo e de forma tão trapalhona, que ninguém percebe o fio ou a lógica dos vossos raciocínios.
É o mais claro sinal do desespero, do presentimento da aproximação do fim de festa.
Conformem-se. Cessem de negar o inegável. Saibam, ao menos, cair com dignidade.

Anónimo disse...

Egídio: toma atenção aos sinais.
Por exemplo:
1 - hoje na Assembleia da República, o Lello, completamente fora de si, a bater no computador que não é seu. O Secretário de Estado de não sei quê, a ser advertido pelo Presidente, sob pena de não lhe dar a palavra. O Assis a admitir que nem todos os deputados do PS vão à bola como PEC
2 - No Norte, Alegre gritava o seu desacordo com as remunerações alarvemente milionárias dos gestores publicos, quando o Zé tem que apertar o cinto, já de si tão aperreado.
Atenta os sinais.
São o princípio da derrocada desta cáfila que nos tem desgovernado.

Anónimo disse...

Quo vadis PSD?
Ontem António Miranda Ferreira apresentou a sua candidatura ao PSD da Mealhada. A sala estava cheia de cadeiras vazias, nem a própria lista, que ainda por cima inacabada, esteve presente. Depois ensaiou a desculpa que a apresentação era só para os jornalistas. Segundo fontes anónimas só o Mealhada Moderna se sacrificou para ir assistir, Canilho estava presente mas como elemento das listas. Uma pobreza sem descrição, nem os jornalistas apareceram. Estiveram a discursar para os próprios. Lá estava o Peres a comandar mais o Carvalheira os seus fantoches. Será que o PSD não se livra destas tristes figuras?
Falavam do Carlos Marques mas esse ao menos conseguia chamar a atenção dos jornalistas. Tiveram a proeza de afastar o Breda mas ainda conseguem demonstrar ser piores. PS: Vou mudar a militância para outro concelho. PS: Já agora alguém informe o Canilho que ao tentar mostrar isenção só se queima porque tapa a cara e destapa os pés.